Doctor dermatologist examines birthmark of patient close up. Checking benign moles. Laser Skin tags removal

Quando uma pinta pode ser um sinal de preocupação?

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de pele é responsável por 33% de todos os diagnósticos de câncer no Brasil. Por isso, é necessário adotar todos os cuidados para preveni-lo. Neste sentido, você precisa saber quando uma pinta representa um risco a sua saúde.

Você sabe quando? Quer saber mais sobre o assunto? Então, não deixe de ler este post. A seguir, você irá aprender a identificar os sinais de malignidade que podem estar presentes em uma pinta.

Por que as pintas aparecem?

As pintas, também conhecidas como nevos, são pequenas formações em relevo, planas, lisas ou rugosas que surgem na pele. Esses sinais são compostos por células névicas, que têm nas pintas sua única função.

Ainda, o surgimento das manchas está diretamente ligado à predisposição genética do indivíduo. Em alguns casos, há também a influência da exposição ao sol, especialmente se não houver nenhuma proteção.

Ademais, as pintas podem estar presentes desde o nascimento ou surgir na infância, no início da vida adulta ou até após os 30 anos. Embora nem sempre ofereçam riscos à saúde, podem causar algum tipo de prejuízo estético.

Quando uma pinta é motivo de preocupação?

Geralmente, as pintas não são um indicativo de câncer ou de outra doença. Se você tem uma marca de nascença e ela se manteve inalterada, você não precisa se preocupar, mesmo que apresentem tons, formas e tamanhos diferentes.

Contudo, com menor frequência, uma pinta que surge em determinado momento da vida pode representar um câncer de pele melanoma. O mesmo risco está presente em pessoas que têm um número elevado de sinais.

Dessa forma, o autoexame da pele é o principal recurso disponível para o diagnóstico precoce da doença. Para isso, foi criada uma metodologia chamada de “ABCDE”.Cada letra corresponde a um atributo que está presente nas lesões cancerígenas, sendo:

  • A de Assimetria;
  • B de borda irregulares;
  • C de Cor (tons de preto escuro ou multicolorida);
  • D de Diâmetro (maior que 5 milímetros);
  • E de Evolução (altera de tamanho e muda de cor).

Entretanto, nem sempre os sinais aparecem juntos. Assim, ao realizar o autoexame e identificar quaisquer alterações, entre em contato com o seu médico para que ele avalie a necessidade de um exame mais aprofundado.

Além disso, existem outros aspectos que podem ser analisados nesse autoexame e que ajudam a identificar uma lesão cancerígena. Então, esteja atento ao notar uma das seguintes características:

  • aparecimento de manchas nas unhas das mãos ou dos pés, ou nas palmas das mãos e plantas dos pés;
  • lesão de borda irregular que provoca pontos vermelhos, brancos, cinzas, azuis ou pretos;
  • presença de uma protuberância firme e brilhante em qualquer parte do corpo;
  • feridas de difícil cicatrização;
  • alterações na superfície de uma pinta já existente;
  • vermelhidão, dor, inchaço, coceira e sensibilidade em determinado sinal ou região do corpo;
  • pigmentação que se expande pela pele;
  • manchas irregulares de coloração marrom escura ou preta.

Enfim, ao analisar todas essas características com frequência, são grandes as chances de você notar a possível presença de uma lesão pré-cancerosa na pele. Com o diagnóstico precoce, são maiores as chances de obter sucesso com o tratamento.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oncologista em São Paulo!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp