Carcinoma de células escamosas

Carcinoma de células escamosas: conheça os fatores de risco

O carcinoma de células escamosas é um tipo de câncer que surge nas células escamosas da pele. Estas células são as principais que compõem a epiderme (camada externa da pele).

Considerado o segundo câncer de pele mais comum — chegando a cerca de 450 mil casos por ano —, esse tumor pode atingir qualquer parte do corpo, incluindo a boca e a região genital. Porém os casos mais frequentes ocorrem em locais que costumam ficar mais expostas ao sol, como: rosto, pescoço, braços e pernas.

Causas

A principal causa do carcinoma de células escamosas é a exposição da pele a raios solares, porém existem outros fatores que podem provocá-lo. Dentre eles, estão:

  • Fazer uso recorrente de câmeras de bronzeamento;
  • Feridas na pele;
  • Infecções crônicas.

O surgimento dessa doença também pode decorrer devido à queimaduras, cicatrizes ou úlceras. Além disso, portadores de HIV ou que pessoas fazem uso de  determinados medicamentos que tornam o sistema imunológico mais fraco possuem uma maior chance de desenvolver esse câncer de pele.

Fatores de risco

O carcinoma de células escamosas normalmente atinge pessoas acima de 70 anos de idade e é 2 vezes mais frequente em homens do que em mulheres.

Além disso, existem alguns aspectos — sejam eles físicos, biológicos ou ambientais — que aumentam o risco de desenvolver essa doença. Os principais deles, são:

  • Pessoas com tom de pele ou cabelos claros;
  • Indivíduos que costumam ficar horas exposto ao sol diariamente;
  • Pessoas que possuem condição hereditária que tornam a pele fragilizada aos raios UV.

Ainda que mulheres e pessoas de pele mais escura tenham menor possibilidade de desenvolver esse câncer de pele, é fundamental que adotem o costume de se proteger do sol.

Sinais e sintomas

O carcinoma de células escamosas é reconhecido por possuir uma aparência espessa e descamativa que podem apresentar sinais e sintomas diferentes dependendo da localidade do câncer. Os mais comuns, são:

  • Nódulo rígido e avermelhado;
  • Ferida com aparência escamosa;
  • Dor em uma cicatriz ou úlcera antiga;
  • Mancha áspera e escamosa nos lábios;
  • Surgimento de feridas similares a verruga nos genitais.

Tratamento

O tratamento para esse tipo de câncer de pele varia bastante, pois tem que ser levado em consideração a localidade e a extensão do tumor, além da a idade e das condições gerais de saúde do paciente.

O profissional da saúde pode realizar o tratamento mediante raspagem e cauterização com uma agulha elétrica, porém esse tratamento não é indicado para carcinomas mais agressivos e nem quando o câncer está localizado em regiões mais sensíveis, como: genitais, pálpebras e lábios.

Em situações que o carcinoma se disseminou para apenas uma ou poucas partes do corpo o tratamento é feito a base de radioterapia.

Dependendo do caso, o médico também pode optar por realizar o tratamento através de cirurgia, podendo ser:

Cirurgia de Mohs

Essa técnica consiste na remoção dos tumores que estão visíveis.

Criocirurgia

Aqui o tumor é destruído por meio de congelamento a base de nitrogênio líquido.

Cirurgia a laser

A remoção do carcinoma de células escamosas é feita através de um laser, que tira toda a camada externa da pele e algumas partes mais profundas, não há sangramento.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como oncologista em Londrina!

Comentários
Dr. Rafael Onuki Sato

Posted by Dr. Rafael Onuki Sato